Beba leite e fique forte!

03/07/2016 15:00
 
Por Sergio Weinfuter
 

   Isso é o que ouvimos desde pequeno, quando nossas mães diziam para que tomássemos leite para ficarmos fortes e muitos medicamentos foram receitados pelos próprios médicos como sendo adequado consumi-los com leite. Muito do que nos fizeram acreditar quando crianças em sua maioria eram mitos, tais como leite fazendo mal com melancia, pêssego, manga e outras coisas que não poderiam se misturar a ele.  

  Segundo pesquisadores de Harvard “os seres humanos não têm nenhuma exigência nutricional de consumo de leite animal.” também “É importante que saibamos que o leite só entrou na alimentação humana, há 8 mil anos. Nestes tempos, crianças e adultos não consumiam leite porque não lhes fazia bem, pois as pessoas ainda não haviam desenvolvido as enzimas necessárias para digeri-lo.” (Norminha, 2016 p. 08). 

   Então não nascemos prontos para o consume de leites de outras espécies, “a aceitação do leite de animais no organismo humano foi um processo lento e gradativo e até hoje muitas pessoas têm problema em digeri-lo perfeitamente.”  (Norminha, 2016 p. 08).  Para o especialista Dr. David Ludwig “Em um dos seus artigos mais acessados, disponível no Jornal Medical Association Pediatrics, diz que muitos médicos aconselham que o leite com baixo teor de gordura seja oferecido às crianças com a desculpa de que seria necessário para evitar a obesidade infantil.” 

   Mas isso pode somente ser uma artimanha médica que não traga os benefícios necessários aos pacientes, segundo Ludwig faltam muitos dados em relação a isso pois,“existem poucos ensaios clínicos randomizados que estudam os efeitos do leite com baixo teor de gordura em comparação com leite integral em relação ao ganho de peso. Além disso, na industrialização, logo que a gordura é retirada, ela é substituída por açúcares que podem ser mais prejudiciais do que a própria gordura.”(Norminha, 2016 p. 08). 

  Portanto em uma dieta o leite pode surtir efeito contrário no paciente e esse não conseguir bater sua meta de emagrecimento almejada. Outro problema apontado pela pesquisa é o muco que contem no leite e para o paciente que recebeu uma receita com medicamentos para ingestão junto com o produto, se ele já tiver problemas respiratórios ou má digestão, poderá gravar a sua situação com o consumo de leite, sem falar no agravamento do seu estado de saúde ser for alérgico a lactose.   

   Nosso organismo, obviamente, não foi criado para digerir o leite de outros animais (nem vaca, nem cabra…), mesmo quem não tem intolerância apresenta consequências ao ingeri-lo: o leite é formador de muco, ou seja, não é legal consumi-lo durante um resfriado, por exemplo. Isso acarretaria uma impulsão na produção de muco o que seria pior para a recuperação. (Norminha, 2016) Portanto o médico que receitou esse procedimento ao paciente, poderá agravar seu estado de saúde, em vez de ajudar.   

   Outro problema apontado fala em relação ao processo de limpeza do leite, sua pasteurização. Segundo a pesquisa “o processo de pasteurização, que mata as bactérias nocivas, elimina, ao mesmo tempo parte das propriedades nutritivas do leite.” Como se ainda fosse pouco “as vacas tratadas com antibióticos e muitas vezes hormônios e outros medicamentos produzem um leite recheado destas substâncias, ou seja, bebemos todos estes hormônios e medicamentos por tabela.” (Norminha, 2016 p. 08). 

  Com toda certeza esse coquetel de medicamentos não fazem bem a nossa saúde. “Antes de consumir mais laticínios, tente educar-se para o que compõe este produto. Você se surpreenderia de saber que podem haver mais de 20 medicamentos para dor, antibióticos e outros se escondendo em seu leite” disse Dr. Ludwig durante uma palestra na New Balance Foundation Obesity Prevention Center, onde é presidente. Portanto tudo o que nos ensinaram sobre o consumo desse produto pode estar errado e fazer mais mal a nossa saúde do que bem.   Para o Dr. Ludwig a única exceção são as crianças; quanto a elas “o especialista aponta que o único leite adequado para os humanos é o leite materno,” porém curiosamente “somos o único animal que toma leite depois de crescido, além de ser o único a tomar leite de outras espécies.” (Norminha, 2016 p. 08) finaliza o especialista. 

  Mais curioso ainda é que poucas dessas pesquisas são divulgadas e o consumo de leite de todos os tipos de animais pelos seres humanos continua mundo a fora em larga escala e mesmo fazendo mal ao nosso organismo e consequentemente a nossa saúde, há quem não abra mão de seu café com leite pela manhã.

Beba leite e fique forte ou se mantenha à distância de seu consumo e preserve sua saúde, você é quem decide.

 

 

Para saber mais: Karlla Patrícia. Cientista de Harvard implora que paremos de consumir leite imediatamente. Norminha Ano 08 – Nº 368 – 23/06/2016. São Paulo, SP.


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!